quinta-feira, janeiro 25, 2007

it was inevitable

Comecei a trabalhar. Voltei a ser uma pessoa stressada e sem tempo para nada. Escusado será dizer que vou passar a ter muito pouco tempo para vir aqui ou para me agarrar à máquina de costura, coitada, que vai ganhando pó.
Ainda assim, tentarei. Mas não prometo.

quarta-feira, janeiro 17, 2007

Palavras para quê

É a sobrinha mais querida do mundo.

sábado, janeiro 13, 2007

breve balanço de 2007

- contrariando tudo e todos, a árvore de natal regressou à sua caixa no dia 7 de Janeiro. O ano passado isso só aconteceu em Março... palmas para mim!
- o maridinho deixou de fumar ou, pelo menos, ele diz que sim. Conclusão, o oxigénio aqui em casa anda tão puro que dá para ficar tonta só com a overdose.
- talvez por isso, ou talvez não, pela terceira vez este inverno (estamos no inverno, não estamos?), caí na cama de gripe. Estou farta de narizes ranhosos, voz nasalada e tosse de cão. Dá para ficar por aqui?
- uma operação stop deixou-me 250 euros mais pobre... é o que dá não fazer inspecção a tempo e horas.
- ainda não fui a uma única loja nos saldos. Não é que não goste dos preços, porque gosto, mas andar à procura do tamanho certo, da peça certa, no meio de uma mar de mulheres furiosas dá-me azia. E por isso passo.
- excepção feita às grandes queridas da família, ainda não vi nenhuma amiga este ano. Isso deixa-me um nadinha triste e com muuuitas saudades.
- voltei a escrever no todos os polacos, uma forma subtil de tentar acabar com a letargia que se instalou entre mim e a vontade de escrever.
- regressei às aulas de polaco e continuo com a sensação de que ainda não sei dizer uma frase completa...
- tive a minha primeira reunião de trabalho e, com ela, a inevitável comichão na derme a dizer-me que não dá para adiar mais a volta ao mercado de trabalho. É pena, porque eu tinha tudo para ser dondoca...
- não recebi, de prémio ou herança, o milhão de euros a que sei que tenho direito. Vou continuar à espera. Quem sabe para a semana...